Revista Raízes - Sempre perto de si.|Quinta-feira, Novembro 23, 2017
Você está aqui: Início » Histórias e Lendas » A história de um Mouro em Torre de Moncorvo
  • Procure um artigo

A história de um Mouro em Torre de Moncorvo 

IMG_8055site

A Raízes voltou a mergulhar no livro “A Mitologia dos Mouros” de Alexandre Parafita e é uma história do concelho de Torre de Moncorvo que lhe contamos nesta edição.

Desta vez não contamos um história de amor de um moura mas sim o fim trágico de um acto de solidariedade de um mouro que só quis ajudar um cristão.  A freguesia de “Cabeça de Mouro”, ainda hoje existe no concelho e Torre de Moncorvo, a história conta o porquê deste nome.

Existe uma história associada ao lugar de “Cabeça do Mouro”, no concelho de Torre de Moncorvo. Reza a lenda que um cavaleiro cristão, ao passar por este local, cansado e cheio de sede encontrou um nascente.  Rapidamente desceu para poder matar a sede mas ao se aproximar da água percebeu que a nascente estava cheia de víboras e escorpiões, o que levou a dar um salto com o susto que apanhou.

Um estranho homem apareceu…

Intrigado com que tinha acabado de ver mais ainda ficou quando ouviu uma voz que o questionou:

- “Então tens sede e não bebes?”

Disse um homem desconhecido. O cristão respondeu que não podia beber pois a água estava cheia de bichos e tinha medo de ser mordido. O homem que o questionou era um mouro que se prontificou a matar a sede deste homem, dizendo que podia beber descansado. O mouro assumiu que tinha poderes e que ia conseguir encantar as víboras e os escorpiões enquanto o

A maldade do cristão …

O que acontece de seguida é bastante surpreendente visto que o mouro ofereceu a sua ajuda ao cristão. Apesar de ter oferecido auxílio  foi decapitado no momento em que encantava os bichos, ou seja, no momento em que prestava ajuda ao mouro que bebia no nascente. Sem piedade o cristão puxou da espada e cortou a cabeça ao homem que o tinha ajudado a matar a sede.

Reportagem para ler na íntegra na edição impressa

 

Adicionar comentário