Revista Raízes - Sempre perto de si.|Quinta-feira, Novembro 23, 2017
Você está aqui: Início » Histórias e Lendas » A princesa da muralha do Castelo de Bragança
  • Procure um artigo

A princesa da muralha do Castelo de Bragança 

Rui Paulo

A Raízes foi esta edição saber da história de uma das fortalezas mais imponentes da região: o Castelo de Bragança. O saber popular e a história misturam-se mas fica a certeza que uma forte história de amor foi vivida dentro desta fortaleza.

 Reza a lenda que há centenas de anos atrás era senhor do Castelo de Bragança um nobre, com um feitio complicado e muito autoritário, contam que todos o temiam ninguém ousava enfrentá-lo. Com ele vivia uma sobrinha orfã, ficou sem os pais muito nova. O tio tratava-a como filha e apesar de ser rude para os outros, os seus olhos brilhavam quando via brincar pelas muralhas a sua menina.

A menina cresceu

Os anos passarm e a menina cresceu e tornou-se numa bela princesa, um dia um jovem cavaleiro apareceu no castelo de Bragança à procura  de um senhor a quem pudesse servir. Apesar de pertencer a boas famílias precisa de ter bens para ganhar nome e honra.

Andou uns dias pelas ruelas da fortaleza à procura, dias suficientes para se apaixonar perdidamente pela formosa menina do castelo que também se apaixou por ele.

Sendo este cavaleiro um jovem sem fortuna o amor era de imediato um amor proibido. Apesar de jurar fidelidade e amor à princesa a história deste amor era impossível. O tio nunca aceitaria o jovem pois não tinha nome, era pobre e sem feitos heróicos de que pudesse orgulhar-se. A tristeza invadiu aqueles dois corações, o amor deles crescia de dia para dia mas sabiam que jamais acabariam juntos.

O cavaleiro partiu

O jovem queria arranjar uma solução para o problema e saiu do castelo de Bragança à procura de uma terra onde tivesse oportunidade de trabalho. Não há nenhuma lenda em que seja revelado qual foi o seu destino. Sabe-se no entanto que antes de partir os dois apaixonados  fizeram um pacto de amor e fidelidade eternas, cuja quebra implicaria desonra vitalícia.

Passaram-se anos sem se saber notícias do jovem cavaleiro. Não faltaram candidatos que durante esse tempo, tentaram ocupar o seu lugar no coração da bela jovem,mas nenhum teve hipótese de se aproximar dela que só pensava no seu amado.

Quem não gostou desta ideia foi o Senhor de Bragança e informou a sobrinha que tinha que escolher, ou casava com um dos nobres ou ia para o convento. Revelou-lhe esta triste condição num passeio pelos jardins do castelo. A jovem foi apanhada de surpresa e resolveu confessar ao tio que tinha prometido amor eterno a um cavaleiro, que nada tinha de seu a não ser o seu amor. Furioso, o castelão tentou chamá-la à razão:”E se ele já não volta?Passaram dez anos.  E se casou com outra mulher?”. Foram muitos os argumentos apresentados pelo tio para dissuadir a sobrinha deste amor, mas a jovem manteve-se fiel à sua palavra e jurou  esperar até ao dia da sua morte se preciso. O tio ficou muito frustrado e começou de imediato a pensar numa estratégia de acabar com este amor da sobrinha pelo jovem cavaleiro.

Artigo para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário