Revista Raízes - Sempre perto de si.|Segunda-feira, Setembro 25, 2017
Você está aqui: Início » O que se passa em Trás-os-Montes e Alto Douro » Começa a compreender-se a doença de Alzheimer
  • Procure um artigo

Começa a compreender-se a doença de Alzheimer 

Grupo Investigadores UTAD_estudam a doença de Alzheimer_

Investigadores da UTAD promovem avanços significativos na compreensão da doença de Alzheimer

“Novos mecanismos bioquímicos no cérebro subjacentes à doença de Alzheimer”, que ocorrem “antes do declínio cognitivo e antes das tradicionais marcas patológicas associadas à doença” foram desvendados por Romeu Videira, investigador da Universidade de Trás-os-Montes (UTAD).
Foi também identificado durante este estudo um “conjunto de alterações bioquímicas que ocorrem no tecido muscular esquelético e que se correlacionam com a progressão das alterações patológicas no cérebro, possibilitando o diagnóstico das diferentes fases da doença através de biópsias ao tecido muscular esquelético”, acrescenta o investigador.
Os resultados desta investigação começam agora a ser publicados em revistas internacionais da especialidade, foi desenvolvido ao longo dos últimos três anos por uma equipa de investigadores da UTAD, coordenada por Romeu Videira, que contou com a colaboração de investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular de Coimbra e da Universidade de Aveiro.
Financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), a investigação utilizou ratos geneticamente modificados, que desenvolveram a patologia de forma progressiva, tal como os pacientes humanos.

Investigação Premiada

O projecto “Targeting brain mitochondria by carbon dots” surge com o objectivo de validar uma “proposta terapêutica inovadora”.
Aqui o objectivo é evitar a progressão da doença de Alzheimer usando “formulações de lipossomas com nanopartículas de carbono multifuncionais para restaurar a funcionalidade da mitocôndria”, sublinha o coordenador do estudo.
Projecto apresentado por Andreia Veloso, aluna de mestrado em bioquímica da UTAD, que integra a equipa que estuda a doença na nesta universidade, e foi já premiado no concurso “Estimulo à Investigação 2014”, que distingue anualmente propostas de investigação de elevado potencial criativo.
Promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, este prémio, em duas componentes, visa premiar o investigador e o financiar o trabalho de investigação que será conduzido nos grupos de materiais e de química alimentar e bioquímica do Centro de Química de Vila Real (CQ/VR) da UTAD.

Adicionar comentário