Revista Raízes - Sempre perto de si.|Segunda-feira, Setembro 25, 2017
Você está aqui: Início » Tema Especial » Doces de castanha é com Leandro Marques
  • Procure um artigo

Doces de castanha é com Leandro Marques 

Leandro Marques_GOURMET (32 de 116) site

O jovem chef pasteleiro nasceu nos meandros da panificação e nunca mais quis sair. 

Abandonou os livros e rendeu-se à pastelaria. Em dez anos, já se tornou uma marca vinhaense por ser o mentor de várias iguarias como o pastel de nata de castanha ou a  Coroa do Docinho de Vinhais. Da conhecida pastelaria Docinho agora decidiu investir na sua marca, “Leandro Marques Gourmet” onde a castanha é presença assídua.

O ditado diz “filho de peixe sabe nadar”  encaixa na perfeição na história de vida deste chef pasteleiro, natural do concelho de Vinhais, distrito de Bragança. Filho de pai padeiro anda no meio das farinhas e dos fornos desde criança. Começou por trabalhar com o seu pai na padaria da aldeia de Curopos, também no concelho de Vinhais, mas rapidamente percebeu que ambicionava mais e que a sua verdadeira “praia” era a pastelaria.

“Quando deixei de estudar fui ajudar o meu pai na padaria, mas fartei-me da panificação pois era muito rotineira. Então decidi dedicar-me à pastelaria, que me possibilita por em prática a minha criatividade”, explica o chef pasteleiro.

No início agarrou em receitas tradicionais, passando, mais tarde, para verdadeiras e saborosas obras-primas. Hoje pode dizer-se que trata a pastelaria por “tu”. “Em qualquer ramo é preciso ser inovador e eu faço questão de manter o tradicional, mas ter sempre uma opção diferente e mais requintada ao lado, inserir a castanha é um dos exemplos”, revela.

Pastel de Castanha:  Made in Vinhais

Leandro Marques decidiu agarrar no ex-libris transmontano e recriar a tão conhecida receita do pastel de nata e deliciar todos os amantes do fruto seco com o então: Pastel de Castanha.

 “É muito simples. Leva a castanha ralada, creme, farinha, açúcar e leite. O segredo? Talvez o amor e a dedicação com que faço as coisas”

“Sei que não descobri a pólvora, mas é certo é que consegui um sabor excepcional”, orgulha-se. Demorou cerca de um mês aperfeiçoar a receita que garante não ter nenhum segredo. “É muito simples. Leva a castanha ralada, creme, farinha, açúcar e leite. O segredo? Talvez o amor e a dedicação com que faço as coisas”, palavras do chef.

 Reportagem para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário