Revista Raízes - Sempre perto de si.|Quinta-feira, Novembro 23, 2017
Você está aqui: Início » Tema Especial » Entrudo de Lazarim, uma tradição ancestral
  • Procure um artigo

Entrudo de Lazarim, uma tradição ancestral 

Entrudo de Lazarim site

Diabos e Senhorinhas, com orelhas bicudas, barbas, bigodes, cornos e sardões à mistura são símbolos que caracterizam as máscaras da Vila de Lazarim, uma freguesia do concelho de Lamego, que tem vindo a atingir novas dimensões enquanto atracção turística.
De sábado a terça-feira esta tradição é protagonizada pelos Caretos que saem à rua, numa encenação carregada de simbolismo.
O momento mais aguardado do Entrudo de Lazarim é a leitura dos testamentos satíricos da “comadre” e do “compadre” na terça-feira de Carnaval. Nesta altura, tapam-se os ouvidos aos mais sensíveis, pois é o momento das verdades guardadas durante todo o ano se fazerem escutar, uma missão a cargo de dois jovens, vestidos de negro, que, desenrolando lengalengas, criticam os rapazes e as raparigas da terra. Mas só os solteiros podem criticar e ser alvo de chacota.
Depois dos testamentos serem lidos é hora do cortejo até ao local onde o casal, representado por bonecos, é queimado simbolicamente, visando a expurga dos males inerentes à comunidade bem como dos que poderão dificultar as boas colheitas e saúde do gado. Actualmente, estes dois fantoches são peças de pirotecnia, que dançam e rebentam. Outro aspecto curioso destes testamentos é a atribuição de partes do corpo do burro àquele que está a ser satirizado. No final, para encerrar as comemorações do Entrudo é oferecido caldo de farinha e a feijoada a todos os presentes, ao som de uma intensa animação musical.

Reportagem para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário