Ferrador dos tempos modernos

Havendo menos animais na agricultura e poucos cavalos em Trás-os-Montes são também escassos os ferradores de animais. Encontrámos Carlos Guerra, natural de Mirandela, que trabalha no Centro de Equitação do Parque Biológico de Vinhais. É ferrador há cerca de vinte anos. Aprendeu com um amigo e mais tarde tirou um curso em Ponte de Lima. Carlos Guedes lida com cavalos desde criança. “O meu pai já tinha cavalos.  Foi sempre uma arte que me despertou a atenção e que gostei de aprender”, conta o ferrador que também foi jockey, corria a cavalo e já ferrava em simultâneo, tinha na altura vinte anos.

Um trabalho especial

Carlos classifica o cavalo como um animal diferente de todos os outros e sente que é privilegiado por estar em contacto com eles diariamente. “E diferente de outros animais, tem muita mais finura, são animais muito mais inteligentes e têm que ser tratados com muita mais delicadeza”, explica.

Apesar de serem animais de grande porte, diz serem dóceis para o ser humano. Enquanto ferra um cavalo explica que não é uma tarefa fácil. “O cavalo tem que estar bem aprumado, é como nós termos uns sapatos, um não pode estar mais alto que o outro. Depois temos dificuldade em andar, e se andarmos vamos magoar de um lado e depois do outro. Acontece o mesmo com os ligamentos dos animais, se o cavalo não estiver equilibrado vai ter dores e não consegue andar e pode até ficar coxo, daí a importância da ferragem”, explica.

Neste Centro Hípico exerce a função de ferrador e é professor de equitação. Lamenta não haver mais ferradores,  como causa aponta talvez a dificuldade de a exercer. “É uma arte muito difícil, é preciso  ter gosto pelo que estamos a fazer ”, lamenta. Ainda acrescenta que há, infelizmente, ferradores que não exercem da melhor forma. “Tenho pena que alguns ferradores não se aperfeiçoem como devia ser porque os animais merecem estar bem ferrados, bem equilibrados, para se sentirem bem no dia-a-dia e no trabalho que fazem”, conclui Carlos Guedes, enquanto termina de ferrar mais um cavalo.

 

 

A Raízes – Trás-os-Montes e Alto Douro em Revista é um projecto editorial generalista, de âmbito regional, cuja publicação periódica é mensal.

LER MAIS

SIGA A REVISTA RAÍZES NAS REDES SOCIAIS