Revista Raízes - Sempre perto de si.|Terça-feira, Novembro 21, 2017
Você está aqui: Início » Transmontanos Mundo Fora » Jovem mirandelense integra Orquestra XXI
  • Procure um artigo

Jovem mirandelense integra Orquestra XXI 

berlim_edit

Joana Nunes, antiga aluna da Esproarte de Mirandela, faz parte do grupo restrito de onze músicos de viola d’arco que integra a Orquestra XXI, um projecto que reúne perto de uma centena de jovens músicos portugueses, residentes no estrangeiro, e que realiza concertos de Norte a Sul do País, na Páscoa e no Verão.

Joana Nunes tem 24 anos e integra a Orquestra XXI desde o seu nascimento, em 2013. Um projecto com o duplo objectivo de manter uma forte ligação entre estes jovens e o seu país de origem e de levar momentos musicais de excelência a um público o mais diversificado possível.

Característica desta orquestra é a pluralidade de experiências dos seus elementos, espalhados por cidades como Londres, Paris, Berlim, Zurique, S. Petersburgo, Madrid e Amesterdão.

Anualmente tem duas digressões, na Páscoa e no Verão, nos mais prestigiados palcos nacionais, como a Fundação Calouste Gulbenkian, a Casa da Música e o Centro Cultural de Belém, mas também em locais mais improváveis como os Mosteiros de Tibães e da Batalha.

Na primeira semana de Setembro, actuou em Oliveira do Bairro, Porto, Lisboa, Faro e Serpa. Actualmente a residir em Berlim, Joana confessa que lhe dá imenso prazer integrar o projecto. “É espectacular quando nos encontramos e temos a oportunidade de trocar as experiências que vamos aprendendo e podermos desfrutar daquilo que gostamos e mostrar o nosso trabalho”, conta.

Foi esta ideia que mereceu à Orquestra XXI o 1º Prémio no concurso de empreendedorismo social “Ideias de Origem Portuguesa”, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito da iniciativa FAZ realizada em parceria com a Cotec Portugal, bem como o Alto Patrocínio da Presidência da República.

Depois desta “curta” passagem por Portugal, a jovem mirandelense vai focar-se em terminar o mestrado em viola d’arco que está a frequentar na Escola Superior de Música e Artes Dramáticas de Leipzig, na Alemanha. “Até Fevereiro do próximo ano tenho de me aplicar ao máximo e depois fazer provas a várias orquestras naquele país para conseguir uma vaga, porque é o meu próximo objectivo”, diz.

A estudar na Alemanha, desde 2013, onde em simultâneo, integrou como membro academista a Deutcher Oper Berlin, Joana Nunes faz questão de valorizar a importância da Escola Profissional de Arte (ESPROARTE) de Mirandela na sua escolha de enveredar pelo mundo da música clássica. “Foi o meu berço, onde adquiri o gosto pela música e teve uma influência gigante no meu percurso no mundo da música clássica. Só posso elogiar todos os que lá trabalham, na pessoa do seu director, José Francisco Dias”, afirma.

Joana diz não estar arrependida de ter optado por viajar para a Alemanha, em detrimento da Royal School, em Inglaterra, onde tinha vaga assegurada. “O problema é que o mercado de trabalho nesta área estava demasiado saturado na Inglaterra e na Alemanha existe uma maior oferta”, explica.

O mais difícil tem sido a distância da família, mas tem sentido um enorme apoio dos pais nesta sua aventura, tornando essa separação menos dolorosa.

A mirandelense Joana Nunes à procura de um lugar ao sol no mundo da música clássica.

Artigo para ler na integra na edição impressa.

Adicionar comentário