Revista Raízes - Sempre perto de si.|Domingo, Setembro 24, 2017
Você está aqui: Início » Histórias e Lendas » O Salvador dos Mirandeses
  • Procure um artigo

O Salvador dos Mirandeses 

IMG_3269

Por Miranda do Douro há um enorme afecto ao menino Jesus da Cartolinha, considerado o verdadeiro ex-libris da Sé Catedral da cidade. Esta pequena estátua do menino de face rosada faz o orgulho dos mirandeses e sobretudo as delícias dos milhares de turistas que visitam Miranda do Douro. A Raízes foi conhecer a sua história.

 A lenda deste famoso menino surge no século XVIII, mais precisamente em 1711, quando   após inúmeras batalhas travadas ao longo dos séculos, Miranda foi invadida uma vez mais pelas tropas castelhanas que queriam tomar esta terra pela sua localização estratégica.

O cenário não era agradável,  a cidade tinha sido tomada pelos castelhanos e sem esperança de remissão. Miranda do Douro aguardavam o reforço das suas tropas que nunca mais chegavam e a situação tornava-se cada vez mais complicada e perigosa. De repente, junto às muralhas aparece um menino vestido de fidalgo cavaleiro. Enquanto corria ia chamando os mirandeses e gritando: “Às armas contra os invasores!”. Mobilizou toda a população que perdeu o medo e saiu das suas casas armados de foices, gadanhas, espingardas e paus para escorraçar os espanhóis.
Era o menino que ia na frente dos mirandeses mas ora aparecia ora desaparecia, até que no fim da luta e depois da cidade libertada dos espanhóis, nunca mais ninguém o viu. Foram dias e dias a procurar por toda a parte, mas de nada valeu, pois ninguém o conseguia encontrar.

Uma figurada ainda hoje amada pelo povo

Aquele pequeno “General” que deu tanta coragem aos mirandeses para lutar contra os espanhóis tinha desaparecido. Esta batalha tinha já quase sido dada como perdida pela falta de reforços, os mirandeses consideraram que esta vitória foi um autêntico milagre e graças ao menino que ficou conhecido como “Menino Jesus”.

Mandaram então esculpir uma imagem do Menino Jesus vestido de fidalgo cavaleiro, à maneira do tempo e colocaram-no num altar da catedral de Miranda do Douro.

Reportagem para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário