Revista Raízes - Sempre perto de si.|Quinta-feira, Novembro 23, 2017
Você está aqui: Início » Vou ali já venho... » Pela Rota das Maias
  • Procure um artigo

Pela Rota das Maias 

IMG_0097

Qualquer altura do ano é boa para caminhar mas as cores da Primavera proporcionam uma tela única de Trás-os-Montes. Nesta edição da Raízes propomos-lhe uma caminhada pela Rota das Maias por Torre de Moncorvo.

A Rota das Maias começa em Cabeça de Mouro e desenrola-se pelas aldeias da freguesia de Cabeça Boa, nomeadamente Cabeça Boa, Cabanas de Baixo e Foz do Sabor do concelho de Torre de Moncorvo.
Destacam-se durante o percurso as magníficas paisagens sobre o Vale Vilariça, a Serra do Roboredo, a sede de concelho, o escalão jusante da Barragem do Baixo-Sabor, o Rio Douro e a foz do Rio Sabor.

PONTOS DE INTERESSE

Capela do Espírito Santo – Esta é uma capela transladada, recentemente. Situa-se junto da escola primária para o cimo do monte. A transladação foi efectuada pelos habitantes da aldeia, sendo que a trave mestra da capela é um zimbro.

Chafariz/Bebedouros e lavadouros – Foram construídos em 1952, os tanques que servem de fontanário e de bebedouros dos animais e os lavadouros públicos onde a população vai ainda lavar a roupa.

Igreja Matriz de Nossa Senhora das Neves – Aqui pode visitar uma antiga capela de Nossa Senhora das Neves. Esta que em 1950 e 1951 sofreu obras de remodelação sendo ampliada para Igreja. Para esta remodelação foram usadas as pedras das ruinas da Igreja de São Salvador, nomeadamente as colunas do telhado, torre do sino e a cabeça de mouro, cuja lenda dá nome à aldeia.

Cruzeiro – Este foi edificado em 1944 por uma senhora da aldeia que gostaria de deixar um marco na freguesia.
Mina do Carvalhal – Visite uma antiga mina onde a população em tempos passados ia buscar água para consumo doméstico. Era conhecida como a fonte dos namorados uma vez que era local de encontro entre rapazes e raparigas, quando estas iam com o cântaro à fonte buscar água.

Cruzeiro – Este fica situado na aldeia de Cabeça Boa, o cruzeiro, foi erguido na década de 40 do século XX.

Reportagem para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário