Revista Raízes - Sempre perto de si.|Quinta-feira, Novembro 23, 2017
Você está aqui: Início » Tema Especial » Programação abre portas ao emprego
  • Procure um artigo

Programação abre portas ao emprego 

3

O embaixador Semana Europeia da Programação é transmontano, natural de Mondim de Basto. Bruno Ferreira defende que a programação pode mesmo fixar pessoas nas regiões do Interior.

“Aprender a programar desde pequeno pode ser uma porta aberta para o emprego”, esta é pelo menos a ideia defendida pelo transmontano Bruno Ferreira, embaixador da iniciativa Code Week EU (Semana Europeia da Programação).
Para a União Europeia as competências de programação são fundamentais. Por isso está a apostar forte na formação e na promoção das actividades digitais relacionadas com a informática, onde se destaca um conjunto de cursos, workshops e sessões de esclarecimento por toda a Europa. O objectivo é fomentar o desenvolvimento de competências nesta área e produzir soluções para combater o desemprego jovem.
Bruno Ferreira defende que as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) podem ser um factor de fixação da população. “Nós temos parte da região que está coberta com fibra óptica, por exemplo, e grande parte dessa cobertura ainda não está a ser utlizada mas é um princípio”, refere o embaixador, acrescentando que se “olharmos à qualidade de vida que algumas vilas e cidades transmontanas oferecem associadas a uma boa ligação à internet eu não sei porque é que não se pode olhar para este território como um bom motivo para a fixação de jovens empreendedores”, explica.
A Semana Europeia da Programação decorreu no mês de Outubro por todo o país. Jovens e adultos puderam aprender a programar. “O raciocínio lógico da programação pode contribuir imenso para o desenvolvimento de competências muito úteis a qualquer que seja a área profissional”, explica Bruno Ferreira que defende que a longo prazo a programação pode vir a ser inserida no ensino básico como disciplina complementar, tal como é o Inglês, e que vai beneficiar os jovens pois o emprego nas áreas de programação ainda tem falta de mão-de-obra.
Esta iniciativa contou com o apoio de empresas do sector, tais como a Microsoft, Google e Facebook, entre muitas outras.

Artigo para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário