Revista Raízes - Sempre perto de si.|Domingo, Setembro 24, 2017
Você está aqui: Início » Desporto » Região transmontana de volta ao topo do futebol português
  • Procure um artigo

Região transmontana de volta ao topo do futebol português 

IMG_1887

Para uma cidade que ao longo dos últimos anos ficou reduzida a um curso de ensino superior, tem perdido valências no seu hospital e tribunal, e vê todos os dias habitantes partirem rumo ao estrangeiro à procura de trabalho, a subida da sua equipa local à 1ª Liga é mais do que um êxito desportivo, assumindo-se como uma lufada de ar fresco.

A subida do Desportivo de Chaves é mais do que um êxito futebolístico, e mais do que um sucesso para a cidade flaviense. Além da importância desportiva, a subida tem relevância social e económica, e mais do que um feito local, é toda uma região de Trás-os-Montes que está representada pela equipa de Chaves.

Fundado em 1949, o clube da cidade de Chaves nasceu da união de dois outros emblemas locais, o Atlético Clube Flaviense e Flávia Sport Clube, e sempre teve como meta o topo do futebol nacional. O Desportivo de Chaves deixou marca no futebol português na década de 80 e 90 do século passado. Subindo em 1985, os flavienses já estavam na europa em 1987, numa epopeia que durou 13 épocas na 1ª Liga, a última em 1999. Pela primeira vez no século XXI o clube transmontano está de regresso ao convívio entre os grandes do futebol português.

Está cumprido o sonho máximo do investidor do clube, Francisco Carvalho, que tem dois filhos à frente da estrutura, Bruno Carvalho, na direção, e Francisco José Carvalho, à frente da SAD. Resgatando o Chaves de um processo de insolvência em 2011, a família Carvalho conseguiu em 2013 a subida da 2ª Divisão para a 2ª Liga conseguindo o primeiro e único titulo nacional do clube. Este ano, marca o regresso à 1ª Liga, 17 anos depois da última presença.

No apito final da partida no Algarve, enquanto os jogadores correram para o meio milhar de adeptos que viajaram 800 km para estar em Portimão, havia dois homens abraçados junto ao banco de suplentes, obreiros da subida. Vítor Oliveira, treinador, e Francisco Carvalho, investidor, estavam visivelmente emocionados.

Reportagem para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário