São Leonardo de Galafura, um lugar encantado

É um lugar encantado. Quem vai a S. Leonardo de Galafura, no concelho de Peso da Régua, distrito de Vila Real, fica extasiado com a paisagem de cortar a respiração. Não é à toa que este era um dos locais predilectos de Miguel Torga para observar, admirar e inspirar-se no rio Douro.

Um lugar como este tinha de estar repleto de mitologia. A Raízes reuniu algumas lendas que conferem a este espaço um encanto especial, não pode deixar de visitar.

 

«O Doiro sublimado. O prodígio de uma paisagem que deixa de o ser à força de se desmedir. Não é um panorama que os olhos contemplam: é um excesso de natureza. Socalcos que são passados de homens titânicos a subir as encostas, volumes, cores e modulações que nenhum escultor pintou ou músico podem traduzir, horizontes dilatados para além dos limiares plausíveis de visão. Um universo virginal, como se tivesse acabado de nascer, e já eterno pela harmonia, pela serenidade, pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar, ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes, ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro. Um poema geológico. A beleza absoluta».
Miguel Torga in “Diário XII”

 

A Mina de Dona Mirra

Perto do santuário de S. Leonardo de Galafura há uma mina em pedra, conhecida como a “Mina de Dona Mirra”. Abrimos mais uma vez o livro de Alexandre Parafita “A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros”, que recolheu vários testemunhos da população local, e a lenda conta-nos que lá por baixo há um palácio com muitas riquezas, onde vive Dona Mirra, uma princesa moura encantada em serpente. E é aqui que há uma oportunidade para os jovens solteiros destemidos.

Diz a lenda que o jovem que tiver coragem de lá entrar poderá ficar com todas as riquezas mas para isso terá de ir à meia-noite e enfrentar a serpente. Esta sobe-lhe pelo corpo até lhe chegar à cabeça. Se o jovem não tiver medo, dá um beijo na boca da serpente e, assim, quebra-lhe o encanto.

A serpente transformar-se-á numa linda princesa e logo aparecerá um belo cavalo para o jovem e ela montarem. Depois casará com a princesa e, devido ao grande tesouro que lá está escondido, serão muito ricos para sempre. Não se conhece nenhum jovem que até hoje se tivesse aventurado.

 

 

Os figos de Dona Mirra

Ainda perto do santuário de S. Leonardo de Galafura reza a lenda que um homem que tinha uma quinta próxima deste passou junto à mesma mina de Dona Mirra e viu, à entrada, uma manta de figos a secar.

Apanhou uma mão deles e meteu-os ao bolso com a intenção de os comer ao “mata-bicho” no seu armazém.

Contudo quando meteu a mão ao bolso à procura dos figos, em vez de figos saíram-lhe libras de ouro. O homem esqueceu logo o “mata-bicho” e foi a correr ao sítio onde tinha visto os figos a secar, para trazer o resto. Só que já lá não encontrou nada. O que ouviu foi uma voz que lhe disse:

-Tivesses levado os figos todos!

Diz o povo que estas libras eram apenas uma parte insignificante da riqueza que Dona Mirra possui.

 

A bola de Dona Mirra

Na encosta de S. Leonardo há um sítio chamado a Fonte dos Mouros, onde andava, certo dia, uma menina a apanhar lenha. Nisto aparece-lhe à frente uma grande cobra, com uma grande trança na cabeça. A menina ficou cheia de medo e ia para fugir, quando a cobra a chamou, dizendo:

– Não tenhas medo, pois não te faço mal. Sou Dona Mirra e estou encantada nesta figura. Se quiseres, podes desencantar-me.

– E o que tenho de fazer? -perguntou a menina.

– Vais para tua casa, e quando a tua mãe cozer pão, pedes-lhe uma bola e trazes-ma. Mas tens de guardar segredo. Se conseguires desencantar-me torno-te rica.
A menina assim fez. Esperou que a mãe cozesse e pediu-lhe então uma bola. Só que a mãe não lha deu sem perguntar para quem era. A miúda disse que era segredo. Mas a mãe insistiu. Por fim a filha, teve de dizer-lhe a verdade.
Pegou depois na bola e levou-a à Fonte dos Mouros. Contudo desta vez já não encontrou Dona Mirra. Apenas ouviu uma voz muito zangada, que lhe disse:
– O que precisavas era que te furasse a língua com uma agulha para aprenderes a guardar os segredos! Prometi tornar-te rica, mas, como castigo, ficarás pobre!

E a Dona Mirra continuou em forma de serpente, o povo diz que ainda se mantém nessa forma pois ainda ninguém conseguiu quebrar a maldição da princesa moura.

Com cobra ou sem cobra este é um lugar que não pode deixar de visitar, São Leonardo de Galafura é um dos mais enigmáticos miradouros da região duriense. De onde tem uma vista privilegiada para o vale do Douro em todo o seu esplendor.

 

Por Cátia Barreira

A Raízes – Trás-os-Montes e Alto Douro em Revista é um projecto editorial generalista, de âmbito regional, cuja publicação periódica é mensal.

LER MAIS

SIGA A REVISTA RAÍZES NAS REDES SOCIAIS