Revista Raízes - Sempre perto de si.|Quinta-feira, Novembro 23, 2017
Você está aqui: Início » O que se passa em Trás-os-Montes e Alto Douro » Smart Travel regressa a Bragança
  • Procure um artigo

Smart Travel regressa a Bragança 

baner_smart

O desafio é cada ano maior, o Smart Travel, Congresso Internacional dedicado ao Turismo, Cidades e Territórios, regressa a Bragança nos dias 2 e 3 Dezembro. 

Igor Calzada (Universidade de Oxford), Dimitrios Buhalis, (Departamento de Turismo e Hospitalidade na Universidade de Bournemouth), Susana Conde (The Foundation for European Sustainable Tourism), José Carlos Mota (Investigador na Universidade de Aveiro, coordenador de diversos projectos relacionados com a Mobilidade e Participação Cidadã), Uri Ben-Ari (Empreendedor, especialista em novos negócios e captação de investimento) são alguns dos nomes mais sonantes do SMART TRAVEL 16.

Um grande evento numa cidade de média dimensão, que não quer ficar para trás e que teima em lutar contra a perda de população, talento e investimento, daí a importância deste evento internacional que assume o Turismo como um dos catalisadores fundamentais para o desenvolvimento económico e, consequentemente, social de regiões como o Nordeste Transmontano.

E, mantendo o nível elevado dos anos anteriores, a edição de 2016 vai contar precisamente com alguns dos mais brilhantes e influentes investigadores, estrategas, construtores e criativos das mais variadas áreas.

Também como nas edições anteriores, a escolha dos oradores e convidados tem sempre um objectivo a médio e longo prazo, quer através da contribuição efectiva para acrescentar valor à região, através de possíveis protocolos, convénios, acordos de cooperação, etc. Ou quanto mais não seja pela simples criação de laços de amizade e que, garantidamente, podem dar frutos no futuro.

Este ano há vultos globais que importa destacar, apontamos apenas dois exemplos:

Igor Calzada é uma das principais figuras neste momento na Investigação Académica referente às regiões e cidades inteligentes a partir da Cátedra da Universidade de Oxford (considerada há pouco tempo como a melhor do mundo). Igor Calzada está a desenvolver um trabalho de elevada qualidade e muita investigação relacionada com identidade de povos, culturas, cidades e regiões, e está a preparar uma intervenção especial para a nossa região, que tem muitas características em comum com as suas próprias origens (Pais Basco);

Dimitrios Buhalis, um autêntico Globetrotter! Adora o nosso país, com quem mantém uma relação de longa data através da Universidade de Aveiro (e outras). É uma das autoridades com maior prestígio na área dos Destinos Inteligentes. Dimitrios é o responsável do Departamento de Turismo e Hospitalidade na Universidade de Bournemouth, com um currículo extenso na investigação e desenvolvimento de estratégias para Destinos Inteligentes e e-Tourism.

Além destes dois oradores, já confirmados, o evento contará com a presença de Susana Conde (The Foundation for European Sustainable Tourism); José Carlos Mota (Investigador na Universidade de Aveiro, coordenador de diversos projectos relacionados com a Mobilidade e Participação Cidadã); Uri Ben-Ari (Empreendedor, especialista em novos negócios e captação de investimento, Uri é também um mentor das Smart Cities em Israel onde desenvolveu metodologias próprias).

E além dos oradores nacionais e internacionais estarão também presentes cidades e casos de estudo em Portugal e também os exemplos do próprio território bem como a imprescindível contribuição académica do Instituto Politécnico de Bragança.

Um evento consolidado

Quando em 2014 surgiu no Nordeste Transmontano o primeiro Smart Travel, a temática das Smart Cities ainda estava pouco disseminada em Portugal e permanecia fortemente ligada ao desenvolvimento dos grandes centros urbanos e à tecnologia. O Smart Travel veio quebrar esse conceito e até abrir caminho para uma nova abordagem a este conceito que aos poucos foi entrando na moda. Primeiro porque teve a audácia de acontecer num território de baixa densidade populacional, onde a fraca dinâmica económica e o despovoamento muitas vezes são associados a uma ideia de atraso estrutural. Depois porque foi o primeiro evento, talvez em toda a Europa, que abordou a questão das Smart Cities em toda a sua transversalidade, ligando as artes à economia, abordado questões como o turismo, a mobilidade, a investigação, a tecnologia, a cultura e a tradição. Na primeira edição do Smart Travel, os nomes mais sonantes do momento, referências mundiais na temática das Smart Cities, marcaram presença no Nordeste Transmontano, sendo capaz de promover a inscrição de 570 delegados ao congresso, um feito nunca visto num evento desta natureza em Portugal. Entre os mais conhecidos, Boyd Cohen (investigador e criador da Roda das Smart Cities), Manel Sanroma (ex-CIO Barcelona), Iñigo La Serna (Santander), Rob Adams (agência 6 Fingers), Lorenzo Cantoni (Presidnete IFITT e Chair ICT Unesco).

Em 2015 manteve-se o mesmo nível de qualidade graças a oradores como Esteve Almiral (ESADE Barcelona), Carl Piva (TMFORUM), Daniel Sarasa (Zaragoza), Mara Balestrini (Barcelona) e muitos outros.

Especialistas em diversas áreas que deixaram o seu conhecimento em Bragança, recebidos com entusiasmo, ouvidos com muito interesse e atenção, que contribuíram sem sombra de dúvidas para a capacitação local, para que empresários e gestores, privados e públicos, tivessem acesso a conhecimentos e ferramentas de topo, tivessem acesso de forma democrática a estudos e investigações que sem a realização deste congresso estariam apenas ao alcance de alguns.

Impacto do Smart Travel ultrapassou as fronteiras nacionais

Recordamos que em 2014 o Smart Travel teve como entidades promotoras duas Associações de Desenvolvimento Local: a Corane (Associação de Desenvolvimento dos Concelhos da Raia Nordestina) e a Desteque (Associação de Desenvolvimento da Terra Quente). O impacto e a repercussão deste evento, em contexto nacional e internacional, levaram as entidades locais a reconhecer a necessidade de lhe dar continuidade e de o tornar num evento anual. Foi o município de Bragança, através da Associação Brigantia EcoPark, que assumiu a continuidade do Smart Travel, que na sua essência mantém a vontade de ser a semente para a criação de uma estratégia regional para que o Nordeste Transmontano possa caminhar, com passos firmes, na construção de fortes pilares de crescimento e desenvolvimento, económico e social.

Num momento em que o mundo viu aprovada uma Nova Agenda Urbana, na conferencia global promovida pelas Nações Unidas em Quito (Ecuador), cresce a vontade entre cidadãos, empresas, ong’s, cidades, regiões e governos, em finalmente contribuir para a construção de um mundo sustentável (se possível melhor) em que as diferenças sejam deprimidas através de acções concretas direccionadas para o desenvolvimento social e do bem-estar das populações.

Sob o lema “A mudança nasce no coração do mundo”, a conferencia Habitat III consagrou, nesta Nova Agenda, o direito à cidade. É basicamente a constatação que ainda há imenso caminho a percorrer em inúmeras matérias relacionadas sobretudo com  a sustentabilidade energética, mobilidade, resiliência e alterações climáticas, migrações, desenvolvimento económico e habitação, entre outros.

“A Inteligência é o destino”, é o lema do Smart Travel, que está desde o seu início a contribuir para uma mudança efectiva de mentalidades, alimentando o debate em torno do futuro das regiões mais periféricas, a necessitarem com urgência de acções e investimentos adequados nas mais diversas áreas, mas com estratégia e união territorial. O Smart Travel, acoplando o tema do Turismo ao Desenvolvimento regional enquanto potencial catalisador do progresso económico e social, é já um pequeno Habitat. Pela qualidade dos oradores internacionais que tem trazido nestas três edições, sem dúvida, mas também pela humildade e empenho das forças vivas da região que entenderam a urgência de avançar com toda a energia rumo à era das cidades. Mesmo que muitas sejam apenas aldeias, vilas ou pequenas comunidades. O que faz uma cidade Inteligente não é um título ou estatuto administrativo, é o sentido de comunidade e partilha. Trás-os-Montes tem esse espírito, e a Smart Region já é uma realidade.

Adicionar comentário