Revista Raízes - Sempre perto de si.|Quinta-feira, Novembro 23, 2017
Você está aqui: Início » Histórias e Lendas » Uma moura encantada em Sanfins do Douro
  • Procure um artigo

Uma moura encantada em Sanfins do Douro 

Photo © Lino Silva 2015-9097

A Raízes voltou a mergulhar no livro “A Mitologia dos Mouros” de Alexandre Parafita e é uma história do concelho de Alijó que lhe contamos nesta edição. A lenda da Moura Encantada conta a história de uma princesa que foi raptada.

Um amor não correspondido

A região de Trás-os-Montes e Alto Douro tem inúmeras lendas escondidas pelos seus montes e vales. A presença dos mouros na região levou a que diversas histórias permanecessem no tempo. Esta edição contamos-lhe a história de uma princesa moura que teve o azar de ser raptada por um cristão e até hoje aguarda a sua libertação.

Reza a lenda que no passado uma bela princesa foi levada para Sanfins do Douro em Alijó por um cristão que se apaixonou por ela. Esta história remonta ao tempo das longas e sangrentas batalhas que os árabes e os cristãos desenvolveram para o domínio do Algarve. O jovem cristão guerreiro encantou-se pela bela princesa sarracena e mesmo não sendo correspondido no seu amor decidiu trazê-la para Sanfins do Douro, no concelho de Alijó. E longe da sua terra e dos seus carpiu a princesa as mágoas da solidão e as angústias da interminável esperança do regresso ao lar.

Tentativa de resgate
Na sua terra deixou o seu coração e foram inúmeras as tentativas dos mouros para a libertarem mas a princesa estava fechada a sete chaves e era impossível libertá-la.
Um dia, porém, um antigo apaixonado da infeliz moura tentou ir salvá-la e levou figos do Algarve, colocando em risco a sua própria vida, para tentar libertar a sua amada.
Mas em má hora o fez, já que foi descoberto e morto pelos escudeiros do raptor. A princesa teve uma dor incalculável ao saber da morte do seu amado na tentativa de a salvar. Depois disto fechou-se nos seus aposentos e desfeita em lágrimas finou-se aos poucos.

Reportagem para ler na íntegra na edição impressa.

Adicionar comentário